Pesquisa

“If we knew what it was we were doing, it would not be called research, would it?”
Albert Einstein

Sobre a ciência que eu faço. Projetos nos quais me envolvi/estou envolvido, reprints de artigos, currículo. Meu lado cientista e acadêmico (é um lado importante).

Meus interesses envolvem muitas áreas (o que é uma vantagem em certos momentos e um obstáculo em outros). Meu doutorado foi em neurociência evolutiva, em particular, a relação entre capacidade cognitiva e composição celular do cérebro, os limites pro crescimento do cérebro de aves e modelos computacionais inspirados pelo desenvolvimento do sistema nervoso. Além disso, tenho interesse em sistemas complexos e no uso de redes complexas e modelos baseados em agentes como ferramentas a serem aplicadas a diversos fenômenos.

Atualmente, meus interesses convergiram para a estatística, em geral, e em particular para as práticas estatísticas comuns nas ciências biomédicas, no contexto da “revolução de credibilidade” pela qual passa a ciência. Isso envolve estatística, claro, mas também meta-ciência, metrologia e um pouco de sociologia e filosofia da ciência, além de fazer uso revisões sistemáticas e meta-análises como métodos de exploração e síntese – e são mais ferramentas para serem aplicadas a diversos campos. Hoje, dou conta de fazer parte do time de coordenação da Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade, um esforço multicêntrico pra estimar a taxa de reprodutibilidade da ciência biomédica brasileira.

Outro interesse é educação, em vários níveis, tanto envolvendo a prática do ensino e aprendizado quanto questões teóricas e políticas: o que é um bom professor/a? O que a pessoa que dá aula pode fazer em sala pra garantir o aprendizado? Como organizar o currículo, as regras, os cursos e tudo mais pra um melhor aprendizado? Politicamente, como organizar o sistema educacional? O que a gente quer da educação? As tendências novas estão indo num caminho satisfatório?

Siga abaixo pra currículo Lattes e publicações.

Currículo Lattes
Google Scholar Profile

Publicações

Evolução do Cérebro

Cellular scaling rules for the brain of afrotherians (2014)
Uma análise da composição celular do cérebro de mamíferos do clado Afrotheria (hyraxes, musaranhos-elefantes e topeiras-douradas), com interesse na universalidade de regras de composição celular em mamíferos, em particular as relativas às células da glia. (PDF)

The elephant brain in numbers (2014)
Um estudo da composição celular do enorme cérebro do elefante (muito maior que o cérebro humano). (PDF)

No relative expansion of the number of prefrontal neurons in primate and human evolution (2016)
Análise de como o número e densidade de neurônios varia ao longo do córtex de primatas, em especial, como o córtex pré-frontal humano se compara ao de outros primatas. (PDF)

White Matter Expansion (2016)
Capítulo de livro sobre a origem, evolução e expansão da substância branca no cérebro de mamíferos. (PDF)

Divulgação Científica

A neurociência abraça o mundo (2016)
Sobre o uso pouco cuidadoso da neurociência em vários campos de atividade humana sobre a qual a neurociência (pelo menos no estado atual) tem muito pouco a dizer. (PDF)

What Are Different Brains Made Of? (2017)
Artigo sobre a composição celular e o número de neurônios de mamíferos … escrito para uma revista com revisão por crianças, a Frontiers for Young Minds. Com ilustrações minhas. (PDF)

Modelos Baseados em Agentes (ABMs)

Ecologia e Comportamento Sexual

Female dispersion and sex ratios interact in the evolution of mating behavior: a computational model
Um modelo computacional pra investigar se o grau de dispersão espacial das fêmeas de uma espécie é um bom mecanismo pra explicar a evolução de diferentes sistemas de acasalamento. (PDF)

Simulações Sociais

Otimização da distribuição de terra para diferentes usos (em preparação).

Um modelo computacional para entender a dinâmica de uso de terra para agricultura ou como pasto para o gado, inspirado e calibrado por dados provenientes da comunidade Mazvihwa no Zimbábue, fruto do trabalho do Muonde Trust. O projeto começou no Santa Fe Institute, colaboração com Melissa Eitzel.